16 de jan de 2015

A mulata e a teoria da destruição

Agora deitado aqui no fim da vida, a um passo do colapso, percebo que o dito cujo destruidor da minha própria vida não era eu como acreditei. Foi o excesso de amor o excesso de confiança sim foi overdose dos beijos e carinhos da quela mulata.
A qual onde desci dos céus como um deus inconformado só a observar aquela linda existência, sim! E dai nos deitamos e rolamos no prazer aquela noite, umas das noites que não estava inerte, uma das noites em que perdi meu céu e trono para ficar do seu lado.
E sem medo assim conquistarmos outro lugar, não um castelo, não um olimpo novo, mas uma família de semi deuses. Porem ainda sim existia uma rainha, uma deusa, o que é certo e o que é errado, o que foi errado para um deus?