10 de fev de 2017

Valor

“Já passou, já passou, quem sabe outro dia... Antes eu sonhava agora já não durmo, quando foi que competimos pela primeira vez?”

O que dizer desta situação que me deixou aqui?
O que dizer de mim ao que ficou aqui...
Eu vou pra casa devagar como uma plena oração
Compassos pesados como uma pena em decomposição
O espaço curto entre a aproximação finita de duas bocas apaixonadas
Eu vou hoje pra casa com a mente e sem o corpo,
Vale de algo? Valerei?
Tropeçando em passos largos mesmo sem pernas se apresentando ao destino com passos confusos.
Valei-me?
Antes de ontem subi em uma arvore e olhei o horizonte.
Ontem fiquei na beira da praia olhando o horizonte.
Hoje o horizonte quer outro abraço apertado.
O que eu valerei amanha?
Sou um prostituto do querer, queres e me tenha, Mas não me queira.

Afinal o que eu tenho que tenha algum sentido ou valor?